• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 23 de março de 2017

Dicas & Direitos

Informações úteis para o seu dia a dia

Filtrar conteúdo por tema:

tamanho do texto -A +A normal

Financeiro

Renegociação de dívidas: 5 dicas para sair do vermelho


Idec lista pontos para levar em conta antes e durante a negociação com o banco ou outros credores

Publicado em 17/10/2016

Crise econômica, desemprego ou até falta de planejamento são alguns dos motivos que podem deixar um consumidor atolado em dívidas. Para quem está no vermelho, às vezes parece impossível sair dessa situação, já que as contas não param de chegar. 
 
Contudo, existem saídas para o superendividamento e a principal delas é tentar renegociar as dívidas com os bancos e demais credores. Confira cinco dicas do que levar em conta nesse processo.
 
- Avaliar, rever e ajustar
Dívidas podem trazer muita dor de cabeça e noites mal dormidas. Para se livrar delas, primeiramente é preciso avaliar o quanto deve e o quanto poderá dispor para assumir a renegociação. Depois, reveja os gastos e ajuste o orçamento familiar e doméstico a ele.
 
- O que priorizar
Com tantas contas em atraso, normalmente é difícil decidir por onde começar. Contudo, a dica é priorizar o pagamento de dívidas que comprometam as condições de sobrevivência. Ou seja, contas de água, energia elétrica, gás, condomínio, aluguel ou prestação de imóvel, por exemplo.
 
Em segundo lugar, entram as dívidas bancárias com altas taxas de juros, como cartão de crédito, cheque especial e empréstimos. É importante priorizá-las na renegociação pois a dívida aumenta muito rapidamente e, quanto mais tempo se passa sem pagar, mais difícil fica de quitá-las.
 
- Número de credores e ajuda especializada
Se todas as dívidas bancárias forem em uma mesma instituição financeira, solicite uma proposta de refinanciamento único do saldo devedor com uma taxa de juros menor e mais prazo de pagamento. Lembre-se de assumir apenas um valor que poderá pagar.
 
Caso tenha dívidas em vários bancos e/ ou empresas e não se sentir seguro para renegociar sozinho, procure o Procon ou a Defensoria Pública de sua cidade e solicite ajuda. Esses órgãos possuem núcleos de superendividamento especializados em renegociação de dívidas.
 
- Negociação cara a cara
Muitos bancos já permitem que o cliente renegocie sua dívida pela internet. Contudo, o Idec aconselha que o consumidor vá pessoalmente à instituição financeira para negociar, pois como as soluções online seguem um padrão, elas podem não ser a melhor para o seu perfil.
 
Na negociação, solicite a revisão do saldo devedor e da taxa de juros, proponha um prazo maior para iniciar o pagamento. Demonstre sua disposição a pagar a dívida, desde que ela esteja ajustada às suas condições.
 
- Saia do ciclo de endividamento
Ao iniciar o pagamento de uma renegociação, é importante reduzir ou eliminar o uso do cartão de crédito, cheque especial e a solicitação de novos empréstimos para não acarretar um novo ciclo de endividamento.
Avalie este conteúdo
  • Nenhum comentário, seja o primeiro.

Deixe o seu comentário


  • Caracteres restantes: 1000
  • 1. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.
  • 2. O Idec não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários, que não são revisados. Havendo necessidade, o Idec reserva-se o direito de eliminar comentários em desacordo com o propósito do site.
  • 3. Se, por mais de uma vez, forem descumpridas quaisquer regras contidas na presente Política ou forem verificadas ilegalidades, o comentário será automaticamente excluído do website do Idec. A qualquer instante, o sistema de inclusão de comentários poderá ser cancelado sem necessidade de aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
  • 4. Os comentários não poderão conter os seguintes itens: banners publicitários; websites que façam vendas online; material pornográfico; palavras de baixo calão; informação sobre atividades ilegais e/ou incentivo ao crime; atividades ilegais incluindo menores de 18 anos (de acordo com o disposto no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente); material depreciativo; ofensivo e/ou mentiroso; propaganda política referindo-se a candidatos, partidos ou coligações, bem como propaganda a respeito de seus órgãos ou representantes; utilização do serviço, desvirtuando sua finalidade, com o intuito de cometer qualquer atividade ilegal; convite à participação em atividades de concursos, correntes, lixo eletrônico, spam ou quaisquer mensagens periódicas ou não solicitadas (comerciais ou não) ou abusivas.
  • 5. A presente Política contendo as condições de uso dos comentários no website do Idec é regida pela legislação vigente da República Federativa do Brasil. Os usuários submetem-se ao Foro exclusivo da Comarca da Capital do Estado de São Paulo para dirimir quaisquer questões porventura incidentes.
  • 6 .O usuário deve fornecer informações verdadeiras, exatas, atuais e completas quando efetuar o registro no formulário para realizar um comentário. Essas as informações são protegidas por senha para a sua segurança e privacidade.
  • 7. Os usuários declaram concordar com todas as condições descritas acima.
Limite de 256 caracteres. Enviar por e-mail
Para:
Todos os campos são obrigatórios.

Filtrar por tema:

Veja também

Financeiro Serviços bancários gratuitos: saiba quais são e quem tem direito

Pouca gente sabe, mas todo brasileiro tem direito a serviços bancários sem pagar nada por isso!...

Consumo Sustentável Consumo sustentável: Como reciclar?

Existem várias formas de evitar que os nossos hábitos de consumo impactem nas mudanças climáticas....

Planos de Saúde Planos de Saúde: saiba o que fazer em caso de negativa de cobertura

A negativa de cobertura é um dos principais problemas enfrentados pelos usuários de planos de sa...

Joana Cruz na Rádio Estadão - Especial Saúde

A advogada do Idec, Joana Cruz, explica sobre as recentes pesquisas do Instituto sobre os planos de saúde...

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook