• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 22 de julho de 2017

Testes e Pesquisas

Avaliações comparativas de produtos e serviços

Financeiro

Consumidores não conseguem renegociar dívidas com os bancos, aponta pesquisa do Idec

Levantamento revela os principais motivos que dificultam a renegociação e os critérios dos bancos no tratamento dos consumidores endividados
 
Publicado em 01/02/2017
 
Entre julho e setembro do ano passado, o Idec realizou uma pesquisa online sobre a experiência dos consumidores em relação à renegociação de dívidas. O levantamento contou com a participação de 1.815 internautas e mapeou os critérios dos bancos para tratar os clientes endividados. 
 
De acordo com a pesquisa, 53,6% dos participantes já tentaram renegociar uma dívida. Contudo, desse total, apenas 39,2% tiveram sucesso. Os principais motivos de insucesso são: transferência do débito para outra empresa (29,1%); pedido de novo prazo para o pagamento negado (27,3%); e negativa do banco de renegociar dívidas que ainda não estão inadimplentes (24,2%).
 
Dos consumidores que tentaram renegociar a dívida, 56,7% consideram que a instituição financeira não avaliou a sua capacidade de pagamento na proposta de acordo. Esse dado é parecido com o resultado de uma enquete realizada no Portal do Idec entre junho e setembro de 2016: dos 556 internautas que participaram, 38% disseram que não conseguiram renegociar uma dívida porque não tinham condições de pagar o acordo proposto pela empresa. 
 
Neste cenário, em vez de solucionar o problema, geram um novo ciclo de inadimplência. “Os frequentes acordos firmados com repactuação e alongamento da dívida se apresenta como a única alternativa oferecida pelas instituições para solucionar o problema do endividamento”, afirma Ione Amorim, economista do Instituto e responsável pela pesquisa.
 
Clique aqui para ter informações mais completas sobre os resultados da pesquisa e o perfil dos participantes.
 
 
Discurso contraditório
O resultado revelou também uma discrepância entre as vivências dos consumidores e o discurso dos bancos Santander, Itaú, Caixa Econômica Federal, Bradesco e Banco do Brasil, apontados como os maiores credores pelos participantes da pesquisa. 
 
As instituições afirmam ter políticas para renegociação e tratamento de dívidas vencidas e vincendas, além de acolherem os endividados e orientá-los sobre educação financeira e uso responsável do crédito. 
 
Contudo, os resultados da pesquisa foram outros, pois não há evidências de ações efetivas para tratar o endividamento. “Todas as respostas foram bastante genéricas e contrastam com a posição dos consumidores entrevistados”, afirma a economista. “Há um estímulo e uma banalização da oferta de crédito pelos bancos, como já mostraram pesquisas anteriores. Contudo, quando esse crédito, em vez de resolver, piora a situação financeira, os consumidores ficam desamparados”, completa Amorim.
 
Educação financeira
Com relação às políticas para o combate ao superendividamento dos clientes, todos os bancos disseram que adotam essa prática. Mas o Idec constatou durante a pesquisa que 46% dos consumidores não tiveram nenhum tipo de orientação a respeito. Apenas 0,7% mencionaram ter participado de oficinas promovidas pelas instituições sobre o assunto. 
 
Amorim aponta que faltam iniciativas neste sentido e também alternativas para a fase seguinte, no momento em que o endividamento já está consolidado. “Para o Idec, é imprescindível discutir o assunto e, inclusive, fomentar o debate sobre uma regulação que possibilite os consumidores formas mais eficientes para o tratamento de suas dívidas junto aos  bancos”, finaliza.

Avalie este conteúdo
  • Nenhum comentário, seja o primeiro.

Deixe o seu comentário


  • Caracteres restantes: 1000
  • 1. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.
  • 2. O Idec não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários, que não são revisados. Havendo necessidade, o Idec reserva-se o direito de eliminar comentários em desacordo com o propósito do site.
  • 3. Se, por mais de uma vez, forem descumpridas quaisquer regras contidas na presente Política ou forem verificadas ilegalidades, o comentário será automaticamente excluído do website do Idec. A qualquer instante, o sistema de inclusão de comentários poderá ser cancelado sem necessidade de aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
  • 4. Os comentários não poderão conter os seguintes itens: banners publicitários; websites que façam vendas online; material pornográfico; palavras de baixo calão; informação sobre atividades ilegais e/ou incentivo ao crime; atividades ilegais incluindo menores de 18 anos (de acordo com o disposto no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente); material depreciativo; ofensivo e/ou mentiroso; propaganda política referindo-se a candidatos, partidos ou coligações, bem como propaganda a respeito de seus órgãos ou representantes; utilização do serviço, desvirtuando sua finalidade, com o intuito de cometer qualquer atividade ilegal; convite à participação em atividades de concursos, correntes, lixo eletrônico, spam ou quaisquer mensagens periódicas ou não solicitadas (comerciais ou não) ou abusivas.
  • 5. A presente Política contendo as condições de uso dos comentários no website do Idec é regida pela legislação vigente da República Federativa do Brasil. Os usuários submetem-se ao Foro exclusivo da Comarca da Capital do Estado de São Paulo para dirimir quaisquer questões porventura incidentes.
  • 6 .O usuário deve fornecer informações verdadeiras, exatas, atuais e completas quando efetuar o registro no formulário para realizar um comentário. Essas as informações são protegidas por senha para a sua segurança e privacidade.
  • 7. Os usuários declaram concordar com todas as condições descritas acima.
Limite de 256 caracteres. Enviar por e-mail
Para:
Todos os campos são obrigatórios.

Filtrar por tema:

  • Enquetes

    Alimentos

    Você é a favor de manter o símbolo "T" no rótulo para identificar o uso de transgênicos?

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook