• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 22 de julho de 2017

Em Foco

Fique por dentro das atividades do Idec e das notícias de seu interesse

Filtrar conteúdo por tema:

tamanho do texto -A +A normal

Alimentos 17 Jul 2017

Idec vai à justiça em apoio a campanha contra obesidade censurada na Colômbia

Instituição enviou documento para Corte colombiana com informações sobre  consequências do consumo de bebidas açucaradas. Vídeo sobre o tema, da ONG Educar Consumidores, foi retirado do ar no país


Em apoio à organização não governamental (ONG) Educar Consumidores, na última quarta feira (12), o Idec enviou um documento  à Corte da Colômbia, apresentando diversos argumentos de órgãos internacionais que afirmam a conexão entre o consumo de bebidas açucaradas e a obesidade. 
 
Em 2016, a organização colombiana foi proibida de veicular um vídeo que denuncia a quantidade de açúcar presente nas bebidas gaseificadas. Após a censura, a Educar Consumidores entrou na justiça para reverter a decisão. 
 
Por ser um caso importante para a luta pelos direitos à alimentação saudável, o Idec decidiu participar do processo em apoio à organização como parte interessada, a partir de uma ferramenta jurídica conhecida como amicus curiae (amigo da corte). 
 
Esse tipo de manifestação pode ser feita por instituições que não participam diretamente de um processo, mas que querem apoiar um dos lados, em casos de grande impacto na sociedade, e dar subsídios à decisão que será tomada pelo tribunal. 
 
Alimentação saudável é um direito
 
De acordo com Flavio Siqueira, advogado do Idec, a decisão do governo colombiano de censurar um comercial de TV é uma violação ao direito à alimentação saudável e está em descompasso com as recomendações de órgãos internacionais de saúde pública.
 
“O Idec tem uma atuação fundamentalmente nacional, mas diante da tendência de aumento do consumo de bebidas açucaradas em toda a região, tivemos que ampliar o nosso escopo e estamos contribuindo com organizações para monitorar políticas públicas e a atuação da indústria de refrigerantes em diversos países”, afirma Siqueira. 
 
No documento enviado, o Idec apresenta informações de órgãos internacionais sobre a relação do consumo exagerado de bebidas açucaradas com a epidemia de obesidade e doenças crônicas não transmissíveis, presente em todos os países da América Latina.
 
A censura do vídeo 
 
Poucos dias após o lançamento do comercial, em setembro de 2016, a Superintendência de Indústria e Comércio (SIC), da Colômbia, determinou que ele saísse do ar. Além disso, também ordenou que qualquer informação sobre o consumo de bebidas açucaradas fosse sujeita a controle prévio. 
 
A queixa partiu da Postobón, uma das maiores fabricantes de bebidas da Colômbia, que alegou “publicidade enganosa” no comercial.
 
Este ano, por decisão da Corte Colombiana, o vídeo voltou a ser veiculado.

Avalie este conteúdo
  • Nenhum comentário, seja o primeiro.

Deixe o seu comentário


  • Caracteres restantes: 1000
  • 1. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.
  • 2. O Idec não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários, que não são revisados. Havendo necessidade, o Idec reserva-se o direito de eliminar comentários em desacordo com o propósito do site.
  • 3. Se, por mais de uma vez, forem descumpridas quaisquer regras contidas na presente Política ou forem verificadas ilegalidades, o comentário será automaticamente excluído do website do Idec. A qualquer instante, o sistema de inclusão de comentários poderá ser cancelado sem necessidade de aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
  • 4. Os comentários não poderão conter os seguintes itens: banners publicitários; websites que façam vendas online; material pornográfico; palavras de baixo calão; informação sobre atividades ilegais e/ou incentivo ao crime; atividades ilegais incluindo menores de 18 anos (de acordo com o disposto no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente); material depreciativo; ofensivo e/ou mentiroso; propaganda política referindo-se a candidatos, partidos ou coligações, bem como propaganda a respeito de seus órgãos ou representantes; utilização do serviço, desvirtuando sua finalidade, com o intuito de cometer qualquer atividade ilegal; convite à participação em atividades de concursos, correntes, lixo eletrônico, spam ou quaisquer mensagens periódicas ou não solicitadas (comerciais ou não) ou abusivas.
  • 5. A presente Política contendo as condições de uso dos comentários no website do Idec é regida pela legislação vigente da República Federativa do Brasil. Os usuários submetem-se ao Foro exclusivo da Comarca da Capital do Estado de São Paulo para dirimir quaisquer questões porventura incidentes.
  • 6 .O usuário deve fornecer informações verdadeiras, exatas, atuais e completas quando efetuar o registro no formulário para realizar um comentário. Essas as informações são protegidas por senha para a sua segurança e privacidade.
  • 7. Os usuários declaram concordar com todas as condições descritas acima.
Limite de 256 caracteres. Enviar por e-mail
Para:
Todos os campos são obrigatórios.

Filtrar por tema:

  • Enquetes

    Alimentos

    Você é a favor de manter o símbolo "T" no rótulo para identificar o uso de transgênicos?

  • Revista

    Banda Larga Fixa

    Músicas virtuais, problemas reais

    Avaliamos os sites Escute, Sonora  e UOL Megastore,e constatamos práticas que desrespeitam os consumidores, como músicas que só rodam em determinado programa, cópias limitadas e bloqueio ao fim da assinatura do serviço

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook