• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 01 de maio de 2017

Em Foco

Fique por dentro das atividades do Idec e das notícias de seu interesse

Filtrar conteúdo por tema:

tamanho do texto -A +A normal

Financeiro 05 Nov 2015

Maiores bancos do mundo investem nove vezes mais em combustíveis fósseis do que em energias renováveis

Há um mês da Conferência Mundial do Clima, estudo de coalizão internacional da qual Idec faz parte, aponta que setor financeiro aposta pouco em fontes alternativas de energia


Nos últimos cinco anos, os 25 maiores bancos privados do mundo destinaram pelo menos US$ 931 bilhões a companhias ou negócios em combustíveis fósseis, montante que corresponde a  90,5% do total de investimentos dessas instituições. No mesmo período, o financiamento voltado a energias renováveis totalizou US$ 98 milhões, ou 9,5% do total.
 
É o que  revela o estudo internacional lançado hoje (5/11) pelo Fair Finance Guide e pelo BankTrack, coalizão internacional da qual o Idec faz parte com o projeto Guia dos Bancos Responsáveis.
 
O relatório, intitulado Minando Nosso Futuro, foi publicado simultaneamente nos sete países da coalizão (Bélgica, Brasil, França, Holanda, Indonésia, Japão e Suécia). 
 
O lançamento do relatório ocorre a menos de um mês antes da Conferência do Clima da ONU, em Paris, a COP. “Ele traz um resultado preocupante, pois mostra a prioridade que vem sendo dada a fontes de energia ‘sujas’ em detrimento de fontes limpas desde 2009, ano da Conferência do Clima em Copenhague”, ressalta Carlos Thadeu de Olveira, gerente técnico do Idec. 
 
Até o final de 2014, a cada US$ 1 destinado a energia renovável pelos bancos, foram fornecidos mais de US$ 9 a combustíveis fósseis. 
 
Para chegar a esses dados, foram investigadas as operações de 75 instituições financeiras com cerca 178 empresas e pesquisados mais de 540 projetos de energia renovável entre 2009 e 2014. Os números foram retirados de bases de dados financeiros – Thomson e Bloomberg –, incluindo plataformas específicas, como a Bloomberg New Energy Finance. 
 
Embora os dados de investimentos sejam informações públicas, seu baixo nível de transparência deixa entrever que os valores reais devem ser ainda maiores que os apontados no estudo. 
 
Campões de fontes sujas
 
O relatório aponta que três bancos americanos – Citi, JPMorgan Chase e Bank of America – são os maiores financiadores de combustíveis fósseis. Entre 2009 e 2014, Citi e JPMorgan forneceram US$ 76 bilhões cada a empresas ativas em combustíveis fósseis e apenas US$ 6,5 bilhões e US$ 4,4 bilhões, respectivamente, à energia renovável. 
 
O Bank of America forneceu mais de US$ 62,7 bilhões a companhias de combustíveis fósseis e apenas US$ 5,4 bilhões à energia renovável.
 
Dentre as 25 maiores instituições em volume de investimentos, apenas duas operam no Brasil: HSBC e Santander. O primeiro ocupa a 10ª posição no ranking e, nos últimos cinco anos, diminuiu em 6% seus investimentos em energia fóssil, ainda que esses representem 89% do total investido; já o banco de origem espanhola está na 22ª posição, tendo aumentado em 3% seus investimentos em energia fóssil, apesar desses já representarem 64% do total da instituição.
 
O gerente técnico do Idec destaca que os bancos têm um papel crucial na economia e a responsabilidade de promover uma economia menos intensiva em carbono. “O estudo mostra em números que as intenções ou declarações dos bancos não se traduzem em compromissos claros”, ressalva Oliveira.
 
Confira aqui a versão em português do estudo Minando Nosso Futuro.
 
Sobre o GBR
 
O Guia dos Bancos Responsáveis (GBR), projeto desenvolvido pela coalizão brasileira do Fair Finance Guide, é uma iniciativa do Idec com apoio da Oxfam Novib e da Agência Sueca de Desenvolvimento Internacional (Sida). 
 
Para saber mais sobre o projeto, acesse: http://guiadosbancosresponsaveis.org.br
   
 
 
 
 

Avalie este conteúdo
  • Nenhum comentário, seja o primeiro.

Deixe o seu comentário


  • Caracteres restantes: 1000
  • 1. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.
  • 2. O Idec não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários, que não são revisados. Havendo necessidade, o Idec reserva-se o direito de eliminar comentários em desacordo com o propósito do site.
  • 3. Se, por mais de uma vez, forem descumpridas quaisquer regras contidas na presente Política ou forem verificadas ilegalidades, o comentário será automaticamente excluído do website do Idec. A qualquer instante, o sistema de inclusão de comentários poderá ser cancelado sem necessidade de aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
  • 4. Os comentários não poderão conter os seguintes itens: banners publicitários; websites que façam vendas online; material pornográfico; palavras de baixo calão; informação sobre atividades ilegais e/ou incentivo ao crime; atividades ilegais incluindo menores de 18 anos (de acordo com o disposto no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente); material depreciativo; ofensivo e/ou mentiroso; propaganda política referindo-se a candidatos, partidos ou coligações, bem como propaganda a respeito de seus órgãos ou representantes; utilização do serviço, desvirtuando sua finalidade, com o intuito de cometer qualquer atividade ilegal; convite à participação em atividades de concursos, correntes, lixo eletrônico, spam ou quaisquer mensagens periódicas ou não solicitadas (comerciais ou não) ou abusivas.
  • 5. A presente Política contendo as condições de uso dos comentários no website do Idec é regida pela legislação vigente da República Federativa do Brasil. Os usuários submetem-se ao Foro exclusivo da Comarca da Capital do Estado de São Paulo para dirimir quaisquer questões porventura incidentes.
  • 6 .O usuário deve fornecer informações verdadeiras, exatas, atuais e completas quando efetuar o registro no formulário para realizar um comentário. Essas as informações são protegidas por senha para a sua segurança e privacidade.
  • 7. Os usuários declaram concordar com todas as condições descritas acima.
Limite de 256 caracteres. Enviar por e-mail
Para:
Todos os campos são obrigatórios.

Filtrar por tema:

  • Enquetes

    Direitos do Consumidor

    Você já entrou com ação na Justiça por um problema de consumo?

  • Revista

    Banda Larga Fixa

    Músicas virtuais, problemas reais

    Avaliamos os sites Escute, Sonora  e UOL Megastore,e constatamos práticas que desrespeitam os consumidores, como músicas que só rodam em determinado programa, cópias limitadas e bloqueio ao fim da assinatura do serviço

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook