• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 27 de setembro de 2016

Em Foco

Fique por dentro das atividades do Idec e das notícias de seu interesse

Filtrar conteúdo por tema:

tamanho do texto -A +A normal

Planos de Saúde 26 Fev 2016

Planos de saúde: desconto em multas estimula violação de direitos do consumidor, critica Idec

Nova norma da ANS prevê redução de 40% do valor da sanção para operadoras que infringiram e não repararam problemas dos usuários. Idec defende que regra seja revogada
 


As operadoras de planos de saúde ganharam mais um estímulo para não cumprir os direitos dos consumidores. Uma nova norma da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) prevê desconto de 40% no valor de multas aplicadas às empresas se elas se dispuserem a pagá-las “antecipadamente”. A regra, prevista na resolução nº 388/2015, já entrou em vigor em 15 de fevereiro.
 
De acordo com a medida, a redução de 40% será dada à operadora que, durante o processo administrativo sancionador instaurado pela ANS, abrir mão de apresentar defesa e se comprometer a pagar o valor da sanção à vista, no prazo de 30 dias. Se a empresa levar o processo administrativo adiante e, depois, se abster de apresentar um recurso final, “ganha” 20% de desconto. 
 
O Idec rechaça a regra e vai enviar uma carta à ANS, ao Ministério da Saúde e à Presidência da República solicitando que ela seja revogada. “Um desconto de quase metade do valor tem função inversa à da aplicação da multa como sanção administrativa: deixa de compelir a operadora a cumprir com suas obrigações e estimula a não resolução do problema, sugerindo impunidade“, ressalta Joana Cruz, advogada do Idec especialista em planos de saúde.
 
Ela dá o exemplo de uma multa por negativa de cobertura (quando a operadora recusa um atendimento obrigatório), que é de R$ 80 mil. Com um desconto de 40%, a sanção cairia para R$ 48 mil, montante que pode ser mais barato do que os custos de cobertura de procedimentos, especialmente em caso de internações, por exemplo. “Dessa forma, o desconto feito pela ANS pode ter um efeito de estimular negativas de cobertura”, critica a advogada.
 
Oportunidade de defesa 
 
Outro grave problema é que o desconto ocorre na fase em que já foi instaurado o processo administrativo sancionador, sendo que a operadora já teve a oportunidade de se defender e de reparar a infração numa fase pré-processual (chamada de Notificação de Investigação Preliminar – NIP) e evitar a multa. 
 
Quando o consumidor apresenta uma denúncia à ANS, a operadora é notificada a resolver o problema “voluntariamente” em 5 dias para demandas assistenciais (como negativa de cobertura), e em 10 dias em casos não assistenciais (como reajuste abusivo). Se a empresa resolver a questão dentro desse prazo, nenhuma multa é aplicada. Se não resolve, a agência apura a infração e instaura o processo administrativo sancionador. 
 
A nova resolução também prevê que caso a operadora repare o problema do consumidor no período de 10 dias após o prazo inicialmente fixado (5 ou 10 dias, a depender da demanda), desde que a ANS não tenha instaurado o processo administrativo sancionador, ela será multada, mas em valor mais baixo, correspondente a 20% do montante fixado para a infração em questão. “A redução da sanção, nesse caso, pelo menos está vinculada à reparação do problema pela operadora”, avalia Joana.
 
“Agilizar o processo”
 
A ANS divulgou uma nota em seu site afirmando que os descontos propostos foram feitos com o intuito de agilizar o processo administrativo e desestimular as operadoras a apresentarem recursos meramente protelatórios – ou seja, apenas para prorrogar o pagamento até que a dívida prescreva.
 
Entretanto, o Idec considera que a agência deve buscar outras alternativas para atingir tal objetivo em vez de descaracterizar o objetivo punitivo das multas aplicadas. “A ANS deveria rever os prazos e o trâmite dos seus processos administrativos sancionadores e estimular as operadoras a não descumprirem suas obrigações”, ressalta Joana.
 
A advogada aponta ainda que a redução das multas prejudica não só os consumidores de planos de saúde, mas a todos os brasileiros, que têm direito ao Sistema Único de Saúde (SUS). “Quando a operadora recusa atendimento, o consumidor muitas vezes precisa recorrer ao SUS, que tem de suportar os custos com um usuário que já paga uma operadora privada para prestar esse serviço. Ainda, como revelou uma pesquisa do Idec de fevereiro de 2015, o sistema público não é ressarcido adequadamente pelas operadoras.Dessa forma, todos os cidadãos pagam a conta”.
 
Além de todos esses problemas, o Idec também critica que a resolução que prevê o desconto nas multas não passou por consulta pública, impedindo a participação democrática da sociedade.
 
 

Avalie este conteúdo
  • Nenhum comentário, seja o primeiro.

Deixe o seu comentário


  • Caracteres restantes: 1000
  • 1. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.
  • 2. O Idec não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários, que não são revisados. Havendo necessidade, o Idec reserva-se o direito de eliminar comentários em desacordo com o propósito do site.
  • 3. Se, por mais de uma vez, forem descumpridas quaisquer regras contidas na presente Política ou forem verificadas ilegalidades, o comentário será automaticamente excluído do website do Idec. A qualquer instante, o sistema de inclusão de comentários poderá ser cancelado sem necessidade de aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
  • 4. Os comentários não poderão conter os seguintes itens: banners publicitários; websites que façam vendas online; material pornográfico; palavras de baixo calão; informação sobre atividades ilegais e/ou incentivo ao crime; atividades ilegais incluindo menores de 18 anos (de acordo com o disposto no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente); material depreciativo; ofensivo e/ou mentiroso; propaganda política referindo-se a candidatos, partidos ou coligações, bem como propaganda a respeito de seus órgãos ou representantes; utilização do serviço, desvirtuando sua finalidade, com o intuito de cometer qualquer atividade ilegal; convite à participação em atividades de concursos, correntes, lixo eletrônico, spam ou quaisquer mensagens periódicas ou não solicitadas (comerciais ou não) ou abusivas.
  • 5. A presente Política contendo as condições de uso dos comentários no website do Idec é regida pela legislação vigente da República Federativa do Brasil. Os usuários submetem-se ao Foro exclusivo da Comarca da Capital do Estado de São Paulo para dirimir quaisquer questões porventura incidentes.
  • 6 .O usuário deve fornecer informações verdadeiras, exatas, atuais e completas quando efetuar o registro no formulário para realizar um comentário. Essas as informações são protegidas por senha para a sua segurança e privacidade.
  • 7. Os usuários declaram concordar com todas as condições descritas acima.
Limite de 256 caracteres. Enviar por e-mail
Para:
Todos os campos são obrigatórios.

Filtrar por tema:

  • Enquetes

    Direitos do Consumidor

    Você já entrou com ação na Justiça por um problema de consumo?

  • Revista

    Banda Larga Fixa

    Músicas virtuais, problemas reais

    Avaliamos os sites Escute, Sonora  e UOL Megastore,e constatamos práticas que desrespeitam os consumidores, como músicas que só rodam em determinado programa, cópias limitadas e bloqueio ao fim da assinatura do serviço

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook