• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 29 de maio de 2017

Em Foco

Fique por dentro das atividades do Idec e das notícias de seu interesse

Filtrar conteúdo por tema:

tamanho do texto -A +A normal

Planos de Saúde 18 Mai 2017

Um terço dos consumidores não conhece regras de coparticipação de planos de saúde

Em consulta pública da ANS, Idec propôs mais transparência sobre custos e alertou sobre os riscos para o consumidor no uso dessa modalidade


Seu plano possui coparticipação? Essa foi a pergunta feita em uma enquete no site do Idec, que ficou no ar de 3 de abril a 16 de maio. A consulta online recebeu 478 respostas, sendo que 32% afirmaram que não sabem direito como funciona e 9% sequer tinham conhecimento se o seu plano de saúde utilizava o mecanismo.
 
Nos planos de saúde com coparticipação, o consumidor, além da mensalidade, arca com o pagamento parcial de procedimentos. 
 
A advogada e pesquisadora do Instituto Ana Carolina Navarrete aponta que a enquete evidenciou o que já era de conhecimento de especialistas. “Os consumidores não sabem como essa modalidade funciona. Sendo assim, ficam vulneráveis a práticas abusivas das operadoras”, afirma.
 
Por isso, o Idec propôs à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) a adoção de regras para aumentar a transparência de informações a respeito dos custos e valores dos procedimentos em que a coparticipação incide, para que sejam de fácil acesso aos consumidores. 
 
A sugestão foi dada na consulta pública sobre coparticipação e franquia - modalidade em que a operadora cobre procedimentos acima de determinado valor -, realizada pela ANS entre 31 de março e 2 de maio.
 
O Idec participou da consulta no dia 2 deste mês, e fez uma série de críticas à norma proposta pela agência
 
Limites 
 
Uma das críticas apresentadas na consulta pública diz respeito ao uso simultâneo de franquia e coparticipação em um mesmo plano de saúde. O Idec considera que isso caracterizaria exigência de vantagem manifestamente excessiva, prática é proibida pelo artigo 39, V do Código de Defesa do Consumidor (CDC).
 
Além disso, o Instituto também acredita que a coparticipação não pode ser aplicada em caso de internações e atendimentos de urgência e emergência, já que o atendimento não é escolha do consumidor. “A coparticipação também não poderia ser utilizada em procedimentos de alta complexidade, pois seu valor significaria restrições severas de acesso a serviços”, defende Navarrete.
 
O percentual máximo que o consumidor poderá pagar por cada procedimento foi outro ponto questionado. A proposta da ANS é que o limite seja de 40%, com exceção de internações psiquiátricas, em que a coparticipação poderá atingir 50%. Para o Idec, esses limites são altos e contrariam entendimentos anteriores da própria agência, em que já definiu 30% como teto razoável.
 
Procedimentos ambulatoriais e preventivos
 
A incidência de franquia em procedimentos ambulatoriais também foi abordado na consulta pública. “O valor a ser pago pelo usuário, além da mensalidade, não pode ser tão alto a ponto de impedir seu acesso aos procedimentos e exames”, diz a advogada.
 
Além disso, o Idec também sugeriu que seja impedida a incidência de coparticipação e franquia em todos os procedimentos preventivos que constem no rol da ANS, e não apenas os mencionados na proposta original
 
“Quando franquia ou coparticipação são utilizados em procedimentos preventivos podem impedir que ocorra o diagnóstico e tratamento precoce, em especial entre os mais pobres”, conclui Navarrete.

Avalie este conteúdo
  • Nenhum comentário, seja o primeiro.

Deixe o seu comentário


  • Caracteres restantes: 1000
  • 1. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.
  • 2. O Idec não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários, que não são revisados. Havendo necessidade, o Idec reserva-se o direito de eliminar comentários em desacordo com o propósito do site.
  • 3. Se, por mais de uma vez, forem descumpridas quaisquer regras contidas na presente Política ou forem verificadas ilegalidades, o comentário será automaticamente excluído do website do Idec. A qualquer instante, o sistema de inclusão de comentários poderá ser cancelado sem necessidade de aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
  • 4. Os comentários não poderão conter os seguintes itens: banners publicitários; websites que façam vendas online; material pornográfico; palavras de baixo calão; informação sobre atividades ilegais e/ou incentivo ao crime; atividades ilegais incluindo menores de 18 anos (de acordo com o disposto no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente); material depreciativo; ofensivo e/ou mentiroso; propaganda política referindo-se a candidatos, partidos ou coligações, bem como propaganda a respeito de seus órgãos ou representantes; utilização do serviço, desvirtuando sua finalidade, com o intuito de cometer qualquer atividade ilegal; convite à participação em atividades de concursos, correntes, lixo eletrônico, spam ou quaisquer mensagens periódicas ou não solicitadas (comerciais ou não) ou abusivas.
  • 5. A presente Política contendo as condições de uso dos comentários no website do Idec é regida pela legislação vigente da República Federativa do Brasil. Os usuários submetem-se ao Foro exclusivo da Comarca da Capital do Estado de São Paulo para dirimir quaisquer questões porventura incidentes.
  • 6 .O usuário deve fornecer informações verdadeiras, exatas, atuais e completas quando efetuar o registro no formulário para realizar um comentário. Essas as informações são protegidas por senha para a sua segurança e privacidade.
  • 7. Os usuários declaram concordar com todas as condições descritas acima.
Limite de 256 caracteres. Enviar por e-mail
Para:
Todos os campos são obrigatórios.

Filtrar por tema:

  • Enquetes

    Alimentos

    Você é a favor de manter o símbolo "T" no rótulo para identificar o uso de transgênicos?

  • Revista

    Banda Larga Fixa

    Músicas virtuais, problemas reais

    Avaliamos os sites Escute, Sonora  e UOL Megastore,e constatamos práticas que desrespeitam os consumidores, como músicas que só rodam em determinado programa, cópias limitadas e bloqueio ao fim da assinatura do serviço

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook