Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Campanha pede a abertura de consulta pública de rotulagem de alimentos

Com a hashtag #AnvisaPerguntaPraMim, Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável reforça a importância do engajamento de toda a sociedade

Compartilhar

separador

Atualizado: 

18/04/2018

Na última semana, a Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, da qual o Idec é membro, lançou uma campanha para pressionar a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a abrir a consulta pública sobre as novas regras de rotulagem nutricional. 

Com a hashtag #AnvisaPerguntaPraMim, a ação tem como objetivo reforçar a importância do engajamento de toda a sociedade no processo regulatório em andamento na agência.

Para participar, basta compartilhar no Facebook, Instagram ou Twitter uma imagem com a hashtag #AnvisaPerguntaPraMim, que pode ser acompanhada de um texto com seu posicionamento a respeito das mudanças nas regras de rotulagem. Além disso, é importante marcar os canais oficiais da Anvisa no Twitter e Facebook. Personalidades como Paola Carossela já postaram imagens em apoio a campanha.

Confira os três modelos de imagem elaborados pela Aliança aqui.

Consulta pública

Prevista para ocorrer ainda este ano, a consulta pública é uma etapa fundamental para processos regulatórios desta natureza. Trata-se de uma ferramenta de construção conjunta de políticas públicas entre governo e sociedade. 

Com a colaboração dos cidadãos, empresas, movimentos e organizações da sociedade, as ações e programas podem ser aprimorados de acordo com as demandas coletivas.

Por uma rotulagem adequada já!

As discussões em torno dos rótulos dos alimentos estão em andamento desde 2014, quando formou-se um GT (Grupo de Trabalho) no âmbito da Anvisa para debater o assunto. 

No ano passado, diversas organizações apresentaram suas propostas de aperfeiçoamento e, em breve, a Agência deve se posicionar a respeito das sugestões recebidas, dando início ao processo de escuta da sociedade.

O Idec, integrante do GT, apresentou uma proposta em parceria com pesquisadores da  UFPR (Universidade Federal do Paraná) para modificar o modelo de rotulagem nutricional do Brasil. Faz parte desta proposta, entre outros aspectos, a adoção de rótulos de advertência na parte da frente das embalagens baseada na experiência bem-sucedida do Chile.