• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 25 de junho de 2017

Em Foco

Fique por dentro das atividades do Idec e das notícias de seu interesse

Filtrar conteúdo por tema:

tamanho do texto -A +A normal

Medicamentos 11 Abr 2017

Em audiência pública, Idec critica proposta que flexibiliza reajuste de preço de medicamentos

Medida Provisória pretende alterar as normas de regulação atuais, autorizando ajustes a qualquer momento


O Idec participou hoje (11) da audiência pública no Senado que discutiu a respeito das alterações na norma de regulação para o setor de medicamentos, propostas pela Medida Provisória (MP) 754/2016
 
A MP pretende permitir que a Câmara de Regulação de Medicamentos (Cmed) autorize ajustes positivos ou negativos do preço dos remédios, em caráter excepcional, a qualquer momento.
 
Além do Idec, participaram representantes do Tribunal de Contas da União (TCU), do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma), do Conselho Nacional de Saúde (CNS), da Cmed, entre outras organizações.
 
Segundo o governo, a Medida Provisória pretende atender à demanda de compra de medicamentos destinados a programas sociais, que garantem o acesso e o tratamento de doenças sexualmente transmissíveis e crônicas, como: diabetes, hipertensão, asma, colesterol, entre outras.
 
Com a MP, os preços dos medicamentos podem ser modificados a qualquer momento, independente da aplicação anual autorizada pelo próprio governo, dificultando o acesso do consumidor aos medicamentos e, como consequência, pode gerar o abandono do tratamento por impossibilidade de compra dos remédios, sobretudo os de uso contínuo. 
 
Para o Idec, no entanto, a medida é preocupante, pois representa um retrocesso à Lei nº 10.742/03, que trata dos reajustes de preços, fere o artigo 196 da Constituição - que assegura o direito à saúde -, e abre precedentes para que os medicamentos sejam ajustados a qualquer tempo. 
 
Ajustes positivos ou negativos
 
Segundo a justificativa da MP, os ajustes positivos irão permitir que os preços estimulem a indústria a oferecer medicamentos que atualmente não são interessantes de produzir, devido aos seus baixos preços de comercialização.
 
Exemplo disso são os medicamentos à base de penicilina. Como não estão mais sob proteção de patentes, não dão grandes lucros às farmacêuticas, e por isso quase se esgotaram no mercado.
 
“Em um mercado potencialmente vasto, com forte concentração de grandes empresas, a produção e a oferta de medicamentos não podem ser tratadas como outro produto de consumo qualquer, em que o fator da viabilidade econômica seja determinante para interromper a sua produção e deixar a população doente”, afirma Ione Amorim, economista do Idec.
 
Já sobre o ajuste negativo, a justificativa da MP é possibilitar que as distorções nos preços dos medicamentos comercializados diminuam, pois a existência de um teto baseado em índices inflacionários impede que haja reajustes para baixo. A necessidade de criar mecanismos que possam reduzir os preços foi, inclusive, recomendada pelo TCU.
 
Preços máximos 
 
Há alguns anos, o Idec vem alertando que a fixação de um teto muito distante dos preços efetivamente praticados pode provocar reajustes muito elevados e a manipulação de preço por distribuidoras e redes de venda.
 
Durante a audiência, o advogado do Idec Igor Britto reforçou o contínuo posicionamento do Instituto a respeito da Cemed não levar em consideração os preços efetivamente praticados no pontos de venda para estabelecer e regulamentar o preço teto. Consequentemente, muitas vezes, os valores estabelecidos são superiores às margens da inflação e acabam dificultando o mantimento de tratamentos para várias classes de consumidores.
 
O Instituto acredita que essa medida possa corrigir distorções causadas pelo alto margeamento, contudo é necessário ter cuidado na escolha dos critérios, que não foram definidos pela MP.
 
“A política de ajuste negativo de preços deveria ser incorporada ao procedimento padrão da Cmed de fixação anual como medida de correção de distorções e não como figura excepcional. Além disso, deve levar em consideração o monitoramento dos preços finais dos medicamentos, procedimento essencial para a análise dos preços, porém não praticado atualmente pela Câmara”, comenta a economista.

Avalie este conteúdo
  • Nenhum comentário, seja o primeiro.

Deixe o seu comentário


  • Caracteres restantes: 1000
  • 1. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.
  • 2. O Idec não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários, que não são revisados. Havendo necessidade, o Idec reserva-se o direito de eliminar comentários em desacordo com o propósito do site.
  • 3. Se, por mais de uma vez, forem descumpridas quaisquer regras contidas na presente Política ou forem verificadas ilegalidades, o comentário será automaticamente excluído do website do Idec. A qualquer instante, o sistema de inclusão de comentários poderá ser cancelado sem necessidade de aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
  • 4. Os comentários não poderão conter os seguintes itens: banners publicitários; websites que façam vendas online; material pornográfico; palavras de baixo calão; informação sobre atividades ilegais e/ou incentivo ao crime; atividades ilegais incluindo menores de 18 anos (de acordo com o disposto no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente); material depreciativo; ofensivo e/ou mentiroso; propaganda política referindo-se a candidatos, partidos ou coligações, bem como propaganda a respeito de seus órgãos ou representantes; utilização do serviço, desvirtuando sua finalidade, com o intuito de cometer qualquer atividade ilegal; convite à participação em atividades de concursos, correntes, lixo eletrônico, spam ou quaisquer mensagens periódicas ou não solicitadas (comerciais ou não) ou abusivas.
  • 5. A presente Política contendo as condições de uso dos comentários no website do Idec é regida pela legislação vigente da República Federativa do Brasil. Os usuários submetem-se ao Foro exclusivo da Comarca da Capital do Estado de São Paulo para dirimir quaisquer questões porventura incidentes.
  • 6 .O usuário deve fornecer informações verdadeiras, exatas, atuais e completas quando efetuar o registro no formulário para realizar um comentário. Essas as informações são protegidas por senha para a sua segurança e privacidade.
  • 7. Os usuários declaram concordar com todas as condições descritas acima.
Limite de 256 caracteres. Enviar por e-mail
Para:
Todos os campos são obrigatórios.

Filtrar por tema:

  • Enquetes

    Alimentos

    Você é a favor de manter o símbolo "T" no rótulo para identificar o uso de transgênicos?

  • Revista

    Banda Larga Fixa

    Músicas virtuais, problemas reais

    Avaliamos os sites Escute, Sonora  e UOL Megastore,e constatamos práticas que desrespeitam os consumidores, como músicas que só rodam em determinado programa, cópias limitadas e bloqueio ao fim da assinatura do serviço

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook