• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 24 de abril de 2017

Em Foco

Fique por dentro das atividades do Idec e das notícias de seu interesse

Filtrar conteúdo por tema:

tamanho do texto -A +A normal

Transportes 12 Abr 2017

Idec solicita prioridade aos ônibus na avenida 9 de Julho, em SP

Liberação de veículos no trecho do corredor é prejudicial ao transporte coletivo e aos usuários que dependem dele
 


Na última segunda-feira (10), o Idec enviou carta à Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), à Prefeitura de São Paulo e à Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes solicitando que os ônibus voltem a ter prioridade no viaduto Plínio de Queiroz, localizado na avenida Nove de Julho, centro da capital paulista.
 
No fim de março, o local passou a ser liberado para todos os carros, mesmo sem passageiros. A medida é prejudicial ao transporte coletivo, que, por lei, deveria ser priorizado na cidade.
 
“Durante o período em que a prioridade ampla foi dada aos ônibus, a velocidade de circulação dos coletivos aumentou quase 30%, de 15,6 km/h para 20 km/h, agilizando a viagem para o usuário. Ao mesmo tempo, os carros não tiveram uma piora sensível no trânsito”, destaca Rafael Calabria, pesquisador em mobilidade urbana do Idec.   
 
No ofício encaminhado aos órgãos públicos, o Idec destaca que a prioridade ao transporte coletivo é definido por leis municipais e federais vigentes, como o Plano Diretor Municipal de SP (Lei Municipal nº 16.050/2014) e a Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei Federal nº 12.587/2012). 
 
Além disso, o Idec reforça que a priorização dos ônibus no viaduto Plínio de Queiroz beneficia muito mais pessoas. “São cerca de 54 mil passageiros [nos coletivos] nos horários de pico, contra os 31 mil transportados pelos carros que transitam pelas outras duas faixas”, reforça o pesquisador.
 

Avalie este conteúdo
  • Nenhum comentário, seja o primeiro.

Deixe o seu comentário


  • Caracteres restantes: 1000
  • 1. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.
  • 2. O Idec não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários, que não são revisados. Havendo necessidade, o Idec reserva-se o direito de eliminar comentários em desacordo com o propósito do site.
  • 3. Se, por mais de uma vez, forem descumpridas quaisquer regras contidas na presente Política ou forem verificadas ilegalidades, o comentário será automaticamente excluído do website do Idec. A qualquer instante, o sistema de inclusão de comentários poderá ser cancelado sem necessidade de aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
  • 4. Os comentários não poderão conter os seguintes itens: banners publicitários; websites que façam vendas online; material pornográfico; palavras de baixo calão; informação sobre atividades ilegais e/ou incentivo ao crime; atividades ilegais incluindo menores de 18 anos (de acordo com o disposto no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente); material depreciativo; ofensivo e/ou mentiroso; propaganda política referindo-se a candidatos, partidos ou coligações, bem como propaganda a respeito de seus órgãos ou representantes; utilização do serviço, desvirtuando sua finalidade, com o intuito de cometer qualquer atividade ilegal; convite à participação em atividades de concursos, correntes, lixo eletrônico, spam ou quaisquer mensagens periódicas ou não solicitadas (comerciais ou não) ou abusivas.
  • 5. A presente Política contendo as condições de uso dos comentários no website do Idec é regida pela legislação vigente da República Federativa do Brasil. Os usuários submetem-se ao Foro exclusivo da Comarca da Capital do Estado de São Paulo para dirimir quaisquer questões porventura incidentes.
  • 6 .O usuário deve fornecer informações verdadeiras, exatas, atuais e completas quando efetuar o registro no formulário para realizar um comentário. Essas as informações são protegidas por senha para a sua segurança e privacidade.
  • 7. Os usuários declaram concordar com todas as condições descritas acima.
Limite de 256 caracteres. Enviar por e-mail
Para:
Todos os campos são obrigatórios.

Filtrar por tema:

  • Enquetes

    Direitos do Consumidor

    Você já entrou com ação na Justiça por um problema de consumo?

  • Revista

    Banda Larga Fixa

    Músicas virtuais, problemas reais

    Avaliamos os sites Escute, Sonora  e UOL Megastore,e constatamos práticas que desrespeitam os consumidores, como músicas que só rodam em determinado programa, cópias limitadas e bloqueio ao fim da assinatura do serviço

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook