• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 26 de junho de 2016

Revista do Idec

Independente e sem publicidade, com matérias exclusivas para associados e assinantes

Revista nº192 - Outubro 2014
anterior próxima
Capa

Origem pouco conhecida

IMAGEM DE DESTAQUE Pesquisa com seis grandes redes de supermercado mostra que ainda há pouca informação sobre a rastreabilidade de alimentos. Conheça as iniciativas e entenda porque é importante saber o caminho percorrido pelos produtos do campo à sua mesa

Você acorda, coa um café fresquinho. Acrescenta ao desjejum frutas com aveia e mel. É um café da manhã simples e frugal, mas, ainda assim, se quisesse saber a origem de cada item que fez parte dele, conseguiria? Hoje, a tarefa é difícil. O Idec fez uma pesquisa para saber quais informações sobre a chamada rastreabilidade de alimentos estão disponíveis nas seis maiores redes de supermercado da cidade de São Paulo (Carrefour, Dia, Extra, Pão de Açúcar, Sonda e Walmart). Os resultados mostram que o conceito ainda engatinha por aqui: quanto menos embalados, mais difícil é obter informações sobre o caminho percorrido pelos alimentos até a gôndola.

O levantamento levou em conta uma cesta de dez alimentos in natura, entre frutas, verduras, legumes e ovos. Em 42,6% dos produtos embalados havia algum tipo de informação sobre sua origem. Já entre os itens a granel, o dado praticamente inexiste: apenas um produto tinha código para rastreamento (0,06%).

Os alimentos orgânicos levaram vantagem: 56,5% dos disponíveis nos supermercados têm rastreabilidade, frente a 28,7% dos convencionais. "O próprio sistema de certificação dos produtos orgânicos já reúne várias informações que permitem a rastreabilidade. Dessa forma, depende da rede de varejo divulgá-las ao consumidor", explica Renata Amaral, pesquisadora do Idec que conduziu o levantamento.

Informar a origem e o caminho percorrido pelos alimentos até o supermercado não é obrigatório no Brasil. Assim, as iniciativas que começam a ser implementadas pelas grandes redes de varejo para levar esses dados ao consumidor são voluntárias. Entre os supermercados avaliados, o Dia foi o único em que não havia nenhum produto com rastreabilidade. Nas demais redes, a quantidade de produtos rastreados varia, assim como o nível de informações. De forma geral, o Carrefour é o que fornece mais dados sobre a origem do alimento, ainda assim, não para todos os itens avaliados. Já o Sonda, embora tenha alguns "gatos pingados" com etiqueta de rastreabilidade, não tem um programa institucional para dar consistência à iniciativa.

Veja, abaixo, um resumo sobre os resultados identificados em cada rede.


[+] Clique na imagem para ampliar

Outras matérias dessa edição

Revista nº192 - Outubro 2014

Outras matérias dessa edição

Todas edições da revista

Selecione o ano:

Eu apoio o Idec

Junte-se à luta pelos direitos dos consumidores. O Idec é feito por pessoas como você!

“Acredito que com o Idec e outras entidades de defesa do consumidor, as empresas estão sendo mais cautelosas. Sempre vejo notícias de órgãos como o Idec tentando barrar na Justiça práticas abusivas. Os fornecedores sabem que não é mais tão fácil moldar o mercado do jeito que querem.”

Hélio da Silva Junior - engenheiro de software

Associados já recebem a revista. Pessoas Jurídicas podem fazer assinatura. Assine agora!

  • Enquetes

    Transporte Aéreo

    Se você já teve de cancelar uma viagem aérea por um imprevisto, o que aconteceu?

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook