• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 27 de agosto de 2016

Revista do Idec

Independente e sem publicidade, com matérias exclusivas para associados e assinantes

Revista nº182 - Novembro 2013
Entrevista

Transgênicos: 10 anos à solta

IMAGEM DE DESTAQUE Entre 1998 e 2003, uma decisão judicial obtida pelo Idec junto com o Greenpeace barrou a entrada de transgênicos no Brasil. A ação, contra a soja geneticamente modificada da Monsanto, a primeira a chegar ao país, pedia que o produto não fosse aprovado até que estudos comprovassem que não havia riscos para a saúde humana e para o meio ambiente. Em junho de 2003, no entanto, uma Medida Provisória passou por cima dessa decisão e autorizou a colheita da soja plantada ilegalmente.
Com esse início absurdo, a trajetória dos transgênicos no Brasil só podia ser ainda mais nebulosa e marcada por retrocessos. Alguns deles são contados nesta entrevista por Marijane Lisboa, representante dos consumidores na Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), órgão responsável por avaliar os pedidos de liberação de transgênicos no país. Ela faz parte de um grupo minoritário de conselheiros, que representa os interesses da sociedade civil e luta bravamente para que as análises da CTNBio sejam feitas com o rigor necessário. Marijane é socióloga, professora de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e também é associada do Idec.


Idec: Qual é o balanço que a senhora faz desses 10 anos dos transgênicos no Brasil?
Marijane Lisboa: O começo da história dos transgênicos no Brasil é de desregulamentação. Eles foram introduzidos no país por uma Medida Provisória, sem ter havido qualquer avaliação dos impactos à saúde e ao meio ambiente, o que já mostra a inviabilidade de uma política de biossegurança. Além disso, pouco tempo depois, a Lei de Biossegurança, de 1995, foi modificada, suprimindo a necessidade do aval da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] e do Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis] para a liberação de transgênicos.
Se for para citar algo de positivo nessa trajetória, eu diria que foi aprender com os erros. Nesses 10 anos, vemos que tudo aquilo que foi dito a favor dos transgênicos não se cumpriu. Dizia-se que, com a introdução dos transgênicos, usaríamos menos agrotóxicos. Mas a realidade é que o Brasil se tornou o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, e isso muito em função do glifosato, utilizado na soja transgênica.


Idec: Desde 2007, a CTNBio aprovou todos os pedidos de liberação comercial de transgênicos feitos ao órgão. Em sua opinião, o que essa autorização irrestrita pode indicar?
ML: Indica uma posição majoritária da CTNBio a favor de transgênicos, uma identificação com eles – até porque boa parte dos membros da Comissão está ligada profissionalmente à criação de transgênicos. Outra parte deles, embora não seja de biotecnólogos, tem uma crença muito grande de que a ciência sempre fará aquilo que for melhor para a humanidade. Eu diria que eles têm uma visão ingênua, porque os cientistas da nossa época não escolhem livremente o que vão pesquisar. Como a pesquisa exige muitos recursos [financeiros], ainda mais em áreas como a de biotecnologia, boa parte das pesquisas responde aos interesses dos financiadores.


Idec: O feijão transgênico foi aprovado em 2011 pela CTNBio. A liberação da modificação genética dessa leguminosa, tão comum no prato dos brasileiros, é mais preocupante do que a de outras culturas, como a soja e o milho, por exemplo?
ML: Sim, porque, pela primeira vez, entramos diretamente na dieta do brasileiro e não estudamos o suficiente para saber quais consequências esses alimentos modificados podem trazer. As pesquisas, hoje, são só para verificar se a planta funciona agronomicamente, ou seja, se com a inserção de certos genes será possível usar tal agrotóxico, por exemplo, sem que a planta morra. A maioria dos testes de toxicologia com animais é feita por poucos meses. A primeira pesquisa realizada com um tipo de milho transgênico – autorizado no Brasil – por um prazo mais longo, conduzida por um pesquisador francês no ano passado, constatou uma quantidade enorme de cânceres em ratos a partir de 90 dias de consumo do milho, que é justamente quando terminam os testes que a Monsanto fez com o produto.


Há várias pesquisas independentes, como essa francesa que a senhora mencionou, que associam os transgênicos a riscos sérios para a saúde humana (sobretudo câncer). Há casos concretos que demostrem esses problemas, ou ainda é cedo para os efeitos aparecerem?
ML: Os efeitos nunca vão aparecer assim, pois não há como identificar, na saúde das pessoas, aquilo que possa ser consequência só da introdução do alimento transgênico, a não ser que se faça uma pesquisa isoladamente. É possível que esteja havendo uma incidência maior de certas doenças, como alergias, câncer, doenças do sistema imunológico etc. Para comprovar, é preciso ter uma pesquisa específica, como essa que comentei [estudo francês], que isolou os animais e os alimentou só com aquele produto, com todo o cuidado para que não haja nenhuma alteração em comparação com o grupo de controle.


Pelas regras da CTNBio, os estudos que baseiam a autorização dos transgênicos podem ser apresentados pelas próprias empresas que solicitam a sua liberação. Não deveria ser levada em conta alguma pesquisa independente, que garantisse a imparcialidade dos resultados?
ML: Sim, mas esse é um "defeito" que nós compartilhamos com boa parte do mundo, não só na questão dos transgênicos. Os estudos de impacto ambiental, por exemplo, são feitos pela própria empresa também. A lógica é que não faz sentido que o Estado assuma todos os gastos com os estudos para poder autorizar algo, então as empresas é que deveriam assumir esses custos. O que poderia ser feito é que órgãos públicos analisassem esses estudos, como era antes no caso dos transgênicos com o Ibama e a Anvisa, para autorizar ou não. Assim, comparativamente com a aprovação de projetos que afetam o meio ambiente ou a aprovação de remédios, no caso dos transgênicos, estamos muito mais na mão das empresas.


Outras matérias dessa edição

Revista nº182 - Novembro 2013

Outras matérias dessa edição

Todas edições da revista

Selecione o ano:

Eu apoio o Idec

Junte-se à luta pelos direitos dos consumidores. O Idec é feito por pessoas como você!

"Sugiro a todos que leiam a Revista do Idec e visitem o site do Instituto. Nesses dois veículos é possível acompanhar o trabalho dessa organização, que, notadamente, evoluiu, tanto em relação às pesquisas e testes de produtos e serviços quanto às ações coletivas em prol dos direitos do consumidor".

Marli Carrara Vegas - Diretora de uma empresa do setor de feiras empresariais

Associados já recebem a revista. Pessoas Jurídicas podem fazer assinatura. Assine agora!

  • Enquetes

    Financeiro

    Você já conseguiu renegociar uma dívida?

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook