• RECEBA NOSSOS INFORMES
  • 25 de junho de 2017

Artigos

A opinião dos nossos especialistas sobre os assuntos que importam para você

Filtrar conteúdo por tema:

tamanho do texto -A +A normal

Banda Larga Fixa

Faz sentido "pagar pelo que consome" na internet fixa?

23 Jan 2017 - Por Rafael A. F. Zanatta, advogado e pesquisador do Idec

Não há como diferenciar os dados que são usados “pelo sistema” ou “pelo consumidor”. Assim, no modelo de franquias, o consumidor pagaria mais do que usa – e sem saber. Pagaria também pelas propagandas que vê.

Gilberto Kassab gerou tumulto nas últimas semanas. Em entrevista divulgada no dia 12 de janeiro, o Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações afirmou que o governo estava estudando uma “opção elástica” para que as empresas pudessem vender acesso à internet fixa com limites mensais de consumo de dados. 
 
No mesmo dia, milhões de brasileiros foram às redes sociais protestar contra as “franquias”. Os protestos geraram notícias e preocupação. Foi preciso que o novo presidente da Anatel entrasse em cena e acalmasse os ânimos. “As franquias continuam proibidas”, garantiu Juarez Quadros.
 
O tema é polêmico. Por pressão de entidades como o Idec, a Anatel está realizando consulta pública para avaliar aspectos econômicos e legais desse modelo de precificação. Dentre as inúmeras perguntas, está a avaliação do impacto para o consumidor. Afinal, se a cobrança for “pelo que for consumido”, tal como a energia elétrica, não seria mais justo?
 
Intuitivamente, as pessoas tendem a achar que sim. Mas a analogia com outros serviços básicos, como água ou energia, não se aplica no caso da internet.
 
As empresa de telecomunicações não “geram a internet”. Não há “custo de geração” pelo que você faz ou deixa de fazer na rede. O custo é de investimento em infraestrutura. Nesses “canos” irão trafegar pequenos pacotes de informação por protocolos. Tais protocolos são “inteligentes”. Eles se dividem em pequenos pedaços e buscam as melhores rotas para chegar ao seu destino. É raro o “entupimento do cano”, como algumas empresas alegam existir.
 
Outro detalhe importante: os protocolos de comunicação – como do e-mail – geram dados. Não há como diferenciar o que é usado “pelo sistema” ou “pelo consumidor”. Assim, ele é penalizado injustamente. No modelo de franquias, o consumidor pagaria mais do que usa – e sem saber. Pagaria também pelas propagandas que vê.
 
Grandes empresas querem implementar franquias para gerar mais receitas com “pacotes adicionais” e acordos comerciais de “conteúdo gratuito”. Com isso, investem menos e lucram mais. Há risco real de preços iguais aos praticados hoje, serviços piores e limitação do acesso ao conhecimento. Isso é bom para quem?
 

Avalie este conteúdo
  • Nenhum comentário, seja o primeiro.

Deixe o seu comentário


  • Caracteres restantes: 1000
  • 1. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.
  • 2. O Idec não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários, que não são revisados. Havendo necessidade, o Idec reserva-se o direito de eliminar comentários em desacordo com o propósito do site.
  • 3. Se, por mais de uma vez, forem descumpridas quaisquer regras contidas na presente Política ou forem verificadas ilegalidades, o comentário será automaticamente excluído do website do Idec. A qualquer instante, o sistema de inclusão de comentários poderá ser cancelado sem necessidade de aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
  • 4. Os comentários não poderão conter os seguintes itens: banners publicitários; websites que façam vendas online; material pornográfico; palavras de baixo calão; informação sobre atividades ilegais e/ou incentivo ao crime; atividades ilegais incluindo menores de 18 anos (de acordo com o disposto no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente); material depreciativo; ofensivo e/ou mentiroso; propaganda política referindo-se a candidatos, partidos ou coligações, bem como propaganda a respeito de seus órgãos ou representantes; utilização do serviço, desvirtuando sua finalidade, com o intuito de cometer qualquer atividade ilegal; convite à participação em atividades de concursos, correntes, lixo eletrônico, spam ou quaisquer mensagens periódicas ou não solicitadas (comerciais ou não) ou abusivas.
  • 5. A presente Política contendo as condições de uso dos comentários no website do Idec é regida pela legislação vigente da República Federativa do Brasil. Os usuários submetem-se ao Foro exclusivo da Comarca da Capital do Estado de São Paulo para dirimir quaisquer questões porventura incidentes.
  • 6 .O usuário deve fornecer informações verdadeiras, exatas, atuais e completas quando efetuar o registro no formulário para realizar um comentário. Essas as informações são protegidas por senha para a sua segurança e privacidade.
  • 7. Os usuários declaram concordar com todas as condições descritas acima.
Limite de 256 caracteres. Enviar por e-mail
Para:
Todos os campos são obrigatórios.

Filtrar por tema:

  • Revista

    Banda Larga Fixa

    Músicas virtuais, problemas reais

    Avaliamos os sites Escute, Sonora  e UOL Megastore,e constatamos práticas que desrespeitam os consumidores, como músicas que só rodam em determinado programa, cópias limitadas e bloqueio ao fim da assinatura do serviço

  • Enquetes

    Alimentos

    Você é a favor de manter o símbolo "T" no rótulo para identificar o uso de transgênicos?

RECEBA NOSSOS INFORMES
SIGA O
Linked.in RSS Twitter Facebook